3 Perguntas que você deve fazer a si mesmo antes de tomar qualquer decisão

Publicado por Equipe Quizlandia em

“A única coisa que você aprende é quando pode sair da sua zona de conforto e se sentir desconfortável, vendo do que você é feito e quem você é.” ~ Sue Bird

Eu cresci em uma casa de classe trabalhadora, localizada em uma cidade humilde, rural e de classe trabalhadora. Fui instruído, tanto consciente quanto inconscientemente, sobre como me encaixar e desempenhar meu papel.

Todo o meu processo de tomada de decisão girou em torno do que eu deveria fazer, como minhas ações fizeram os outros se sentirem e o impacto que isso teria na minha vida. Me tornei professora porque é uma profissão maravilhosa para as mulheres. Fiz vários tratamentos de fertilidade porque todas as mulheres desejam ter um filho.

Nunca questionei nada. Eu apenas flutuei em uma jangada, construída gerações antes de mim, me levando para baixo de um rio da inevitabilidade. Então, um dia, minha jangada caiu.

3 perguntas que toda pessoa útil deve fazer antes de tomar uma decisão

Havia acabado de passar por outro tratamento de fertilidade, estava andando na rua enquanto ouvia o tilintar de colheres contra canecas de cerâmica, me perguntei por que estava passando por tudo isso. 

De repente, percebi que precisava tomar uma decisão. Eu poderia me deitar no rio e deixar a correnteza me levar, ou poderia subir até a margem do rio e começar a andar com minhas próprias pernas.

Eu estava desorientada. O medo colidiu com o desejo. O que as pessoas pensariam? Como meus amigos e minha família se sentiriam? Eles ficariam desapontados? Nervosos?

Como um cervo recém-nascido com pernas trêmulas, dei meu primeiro passo em direção à margem do rio. Eu estava com medo, mas determinado a começar a trilhar meu próprio caminho. Meus passos foram pequenos no início, pequenas decisões que testaram o solo sob meus pés.

A cada nova etapa, ganhei mais confiança. O medo, a culpa e a insegurança começaram a desaparecer. Lentamente, recuperei minha autonomia e comecei a traçar meu próprio curso com intenção.

Olhando para trás em minha jornada de agradar as pessoas a me fortalecer, identifiquei três perguntas principais que me pergunto antes de tomar uma decisão.

1. Esta é minha prioridade?

Como pessoas que agradam aos outros, somos rápidos em sacrificar nossos próprios desejos e necessidades para fazer os outros felizes. Fomos treinados para nos descartar em benefício de outros. Fomos recompensados ​​por sermos modestos, simples, simpáticos e fáceis. Nunca aprendemos a identificar o que é importante para nós.

Antes de responder sim, devemos esclarecer nossas prioridades. Esta é a base para uma tomada de decisão mais saudável. Sentado à mesa da sala de jantar, me perguntei: “Ter um bebê é minha prioridade?”

Minha resposta foi profunda e inquietante. Eu estava tentando engravidar porque era o que se esperava de mim, como mulher, como esposa, como filha. Ter um filho e ser mãe não era minha prioridade.

Fiquei aliviado e assustado. Esse momento de clareza me permitiu decidir que tipo de futuro eu criaria. Mas isso também significava que ele iria contra a corrente. Como minha decisão afetaria as pessoas ao meu redor? Quem eu pensei que era para escolher meu próprio caminho?

O medo surge e nos empurra de volta à nossa zona de conforto. É um mecanismo de autodefesa profundamente arraigado. O medo é projetado para proteger e tem um papel a desempenhar quando o perigo é alto. O problema é que nosso medo costuma ser uma resposta exagerada ao condicionamento psicológico que as pessoas que gostam aprenderam.

Tememos a reação que advém de expressar uma opinião independente que difere do que nossa família acredita ou do que a sociedade define como norma. Nosso condicionamento nos faz acreditar que ser único é menos seguro e que essa crença nos impede de realizar nosso potencial.

Perceber que estamos indo na direção errada é a base para nos tornarmos mais capacitado.s

2. O que é importante para mim?

Nos colocar em primeiro lugar não é uma condição fatal. É tudo ao contrário.

Escolher a autonomia e a autorrealização é a coisa mais saudável que podemos fazer. Alcançar nosso maior potencial, a auto realização, está no topo da hierarquia de necessidades de Mazlow

Depois de perceber que ter um bebê não era minha prioridade, me perguntei: “O que é importante para mim?”

Eu não fazia ideia. Levei muito tempo para descobrir. Essa era uma nova maneira de pensar. Eu não estava acostumada a me concentrar em mim mesma. Tive muitas dúvidas sobre mim. Eu oscilava entre o que eu queria e o que era esperado. Tive que definir, pela primeira vez, quem eu era e o que queria.

Foi difícil me concentrar em mim novamente. Passei por um processo de retreinamento do meu cérebro e criação de novos hábitos. Tudo que me ensinaram precisava ser reprogramado para se adequar à minha nova maneira de ser no mundo.

Minha transformação começou esclarecendo meus valores e prioridades. Eu defini o que era importante para mim. Percebi que responsabilidade pessoal, melhoria contínua e energia positiva eram fundamentais para a pessoa que eu queria ser. Comecei a manter a mim e aos outros um padrão mais elevado.

Comecei a reconhecer quando alguém estava me usando em vez de fazer seu próprio trabalho. Percebi que permitia que as pessoas me manipulassem para seu próprio benefício. Depois de esclarecer meus valores, foi muito mais fácil defendê-los.

Sempre que me deparava com uma decisão, perguntava a mim mesmo: “Isso se encaixa com o que eu valorizo? Isso é importante para mim? Esta é uma contribuição positiva? Isso criou um filtro através do qual todas as minhas decisões foram colocadas. Este filtro me permite tomar as decisões que estão alinhadas comigo.

Ser claro sobre nossas prioridades é o roteiro para alcançar nossos sonhos e desejos.

3. Como vou me sentir depois de tomar minha decisão?

Mais uma vez, nosso condicionamento nos tornará complacentes e preocupados com todos os outros. É essencial manter o foco em nós mesmos e em nossas prioridades. Estamos flexionando um novo músculo.

Nos colocar em primeiro lugar parece estranho e errado porque nos ensinaram que é indelicado e impróprio. Isso nos mantém congelados na ambiguidade dos piores cenários imaginários. Precisamos desenvolver o cenário e enfrentar as questões:

Como vou me sentir se disser sim?

Como vou me sentir se disser não?

No meu caso, as perguntas eram: “Como vou me sentir se continuar com os tratamentos de fertilidade? Como vou me sentir se eu parar?”

Percebi que, se interrompesse os tratamentos, me sentiria como se estivesse no controle do meu corpo e da minha vida novamente. Teria mais tempo para escrever e aproveitar a vida com meu marido novamente. Se eu continuasse com os tratamentos, deixaria todo mundo feliz, menos eu. 

Percebi que não precisava ter um filho para ficar satisfeita. A resposta ficou muito clara. Era hora de parar. Identificar a decisão certa para mim foi um alívio.

Os outros ficariam desapontados com minha decisão? Com certeza. Outros discordariam? Absolutamente. Mas minha nova consciência me deu uma sensação de paz. Substituí o medo pela liberdade.

Em vez de agradar as pessoas, me tornei profundamente egoísta. Ser egoísta tem suas vantagens: autoconsciência, autoconfiança, auto realização, autocuidado. Todas essas são maneiras saudáveis ​​de ser egoísta.

Faça mais daquilo que te faz feliz.

Tomar decisões cuidadosamente egoístas dá a você a liberdade de ser um ser humano mais generoso, amoroso e positivo. Em vez de se preocupar tanto com a forma como será visto, você se sentirá mais saudável, feliz e confiante.

Dê a si mesmo permissão para se concentrar em suas necessidades e você se tornará a pessoa única que precisa ser. Você não tem o poder de agradar a todos, mas tem o poder de agradar a si mesmo.

Categorias: Curiosidades

0 comentário

Deixe um comentário

Avatar placeholder

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Add to Collection

No Collections

Here you'll find all collections you've created before.