5 Conselhos de Buda para vencer seus medos e transformar sua vida


Os 5 conselhos de Buda são uma prática meditativa, projetada para reconhecer nossos principais medos, se relacionar com eles e aceitar, como parte do exercício de viver no momento presente, com plena consciência.

Em seu livro “O coração dos ensinamentos de Buda” (2000), o mestre zen vietnamita e monge budista, Thich Nhat Hanh (1926), destaca que o próprio Buda aconselhou recitar os 5 conselhos todos os dias:

  1. “Pela minha natureza, estou destinado a envelhecer. Não há como escapar do envelhecimento.”
  2. “Pela minha natureza, estou destinado a adoecer. Não há como escapar da doença.”
  3. “Pela minha natureza, estou destinado a morrer. Não há como escapar da morte.
  4. “Tudo o que quero e as pessoas que amo têm a natureza da mudança. Não há como evitar ter que me separar disso.
  5. “Minhas ações são a única coisa que realmente me pertence. Não posso fugir das consequências de minhas ações. Eles são a base que me apoia.”

5 conselhos de Buda:

O objetivo de meditar com os 5 conselhos de Buda não é adquirir uma visão pessimista da vida, mas motivar a compreensão do fenômeno da mudança e a liberação dos apegos produzidos pelo ego.

Esse tipo de entendimento permite que o indivíduo se concentre em aproveitar o agora, em vez de se perder em perambulações e angústias, sobre o que pode acontecer e está além de seu controle (ilusório).

Os 5 conselhos de Buda não contradizem a doutrina da reencarnação e do karma, pelo contrário, Thich Nhat Hanh enfatiza que nascimento e morte são conceitos relativos, não absolutos.

“Precisamos dissolver a ideia da duração da vida. Acreditamos que existimos sozinhos de um momento para outro e sofremos por isso. Mas se olharmos profundamente, descobriremos que nunca nascemos e que nunca morreremos”, explica o monge zen, em “O coração dos ensinamentos de Buda”.

O guia espiritual budista também aponta que “carregamos conosco o mundo do não-nascimento e da não-morte, mas nunca sentimos isso porque vivemos sozinhos com nossas ideias”.

Ao assimilar o medo da morte, doença, envelhecimento e perda, entendemos que eles fazem parte da natureza humana (a experiência corporal), mas não transcendem a parte divina.

Com esse conhecimento, é possível aprender a trabalhar os sentimentos a partir da responsabilidade das próprias ações, e não do medo do que possa acontecer no futuro.


Gosto disso? Compartilhe com os seus amigos!

0 Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In

Forgot password?

Forgot password?

Enter your account data and we will send you a link to reset your password.

Your password reset link appears to be invalid or expired.

Log in

Privacy Policy

Add to Collection

No Collections

Here you'll find all collections you've created before.